Hora da Entrevista,

Dia do blogueiro: Entrevista com o autor Vinícus Grossos

14:50 Jéssica Figueiredo 7 Comments


Olá pessoal, hoje dia 20 de Março, é dia do blogueiro :D É a segunda vez que comemoro este dia tão especial <3 O blog foi ao ar em Janeiro de 2014. E eu não tinha nenhuma ideia de que eu iria me apegar tanto a este cantinho tão especial. A postagem de hoje é para lembrar um dos trabalhos dos blogueiros que é fazer entrevistas com pessoas tão legais :D O meu blog é literário, então, são entrevistas com autores. Essa é a minha primeira entrevista aqui no blog. 
E o autor que está inaugurando as entrevistas em meu blog é o autor Vinícius Grossos, autor de Sereia Negra - Leia a resenha aqui. Ele foi uma pessoa muito prestativa comigo e tive uma experiência muito bacana. Espero que gostem!



Vinícius, obrigada pela disponibilidade e todo o carinho para responder as perguntas. Primeiramente, de onde surgiu a ideia de escrever Sereia Negra?

V.G.:Surgiu depois de uma terrível decepção com meu primeiro livro, Quatro Caminhos. Isso porque eu consegui uma editora que prometeu lançá-lo, mas não se moveu para que isso acontecesse.
A partir daí, me desafiei a escrever um livro que fosse totalmente diferente deste primeiro. Quatro Caminhos era um romance realista, então decidi me aventurar na fantasia, e ao ter isso como certo, a ideia de falar sobre sereias logo brotou na minha cabeça, porque são os seres fantásticos que mais me fascinam.
Depois disso definido, foi quase como se a Inês viesse completa à minha mente, então tudo o que tive que fazer foi sentar e começar a escrever!

Como você faz para conseguir inspiração? Tem alguma mania enquanto escreve?

V.G.:Hummm... É engraçado, mas eu já escrevi três livros diferentes, e algo curioso é que, por mais que eu tente, a inspiração para cada um deles só vem em determinado horário. Por exemplo, com Quatro Caminhos eu ficava mais inspirado no início da noite; Sereia Negra era sempre pela manhã; E O Garoto Quase Atropelado mais à noite.
Fora isso, às vezes coloco alguma música que a personagem gosta... Ou que eu mesmo goste hahaha. De vez em quando ajuda.


Como foi a criação dos personagens?

V.G.:Soa muito doido se eu te falar que eles já vieram prontos para mim? É incrível, mas quando defini quem seria a minha sereia, e sua personalidade, e suas características, todos os outros foram aparecendo aos poucos. No começo, quando a ideia veio, eu nem tinha planejado criar Kelsen e Grany. E quando dei por mim, eles já estavam lá, no livro...


No livro você utiliza o folclore, Iara, na história. Você sempre gostou de histórias de sereias? Eu sempre fui fascinada por elas. 

V.G.:Sim, sempre foram as minhas favoritas, e eu fico triste porque acho que há tão poucas histórias de sereias! Então eu quis contribuir com uma história minha.


Na sua imaginação Inês, a Sereia Negra, sempre teve um gênio muito forte? Ou com o desenvolvimento da ideia, você achou melhor que ela tivesse esse temperamento?

V.G.:Bem... Eu planejei que ela tivesse realmente um temperamento explosivo. Mas a verdade é que a Inês tem um lado mais rebelde também hahahah Isso não foi planejado.
Acho que a Inês que eu tinha na mente não era tão corajosa... Com o livro, ela foi mostrando os traços de sua personalidade, de suas vontades, e eu só permiti que isso acontecesse.


Uma das coisas que gostei bastante foi você abordar o preconceito. Parece irreal que em pleno século 21 ainda exista qualquer tipo de preconceito. A ideia da criação de uma sereia negra foi justamente para abordar essa triste realidade que ainda ocorre no mundo?

V.G.:Sim... Eu queria misturar um tema mais forte, com a fantasia. Mas até então eu não sabia bem como fazer isso... Até que me ocorreu o pensamento de que há pouca recorrência de personagens negros em livros, ainda mais como protagonista. Então acho que a Inês se encaixou perfeitamente na ideia proposta.


O seu livro não aborda somente o preconceito, mas também sobre as diversas formas de amor que existem. Dentre elas a relação homem com homem, e mulher com mulher. Você espera que a sociedade de hoje seja mais tolerante, pare de disseminar o ódio, e aceite que existem várias formas de amor?

V.G.:É. Acho que tenho esperança sim de poder viver em um mundo em que as pessoas não sejam rotuladas e julgadas pelo amor. Amor é algo tão puro, né? E as pessoas vivem querendo se meter, julgar, acusar e etc. 
Acho que viemos ao mundo para ser feliz. Então espero sim, que algum dia, o amor não seja considerado pecado, ou errado, ou sujo. Que o amor seja considerado simplesmente amor.

Você criou seres novos para o seu livro, não irei falar como eles são, pois não quero dar spoiler, mas como foi que eles surgiram? No que você estava pensando durante a criação deles? Posso dizer que os achei magníficos. 

V.G.:Obrigado! Bom saber que você gostou!
Quando eu tivesse essa ideia, depois de ter pesquisado muito sobre a cultura grega, eu não sabia muito bem se seria uma boa ideia. Você sabe... As sereias que eu criei são beeeem diferentes... Fiquei com medo de haver algum estranhamento. Mas Graças a Deus não! O pessoal têm curtido bastante.

Você escreveu um romance intitulado 'O Garoto Quase Atropelado' que estará sendo lançado em maio. Queria saber como foi escrever um romance para você, já que Sereia Negra é uma fantasia. Quais foram as diferenças que você sentiu na maneira de escrever uma fantasia e um romance?

V.G.:Cada estilo tem suas dificuldades, pelo menos pra mim. Quando escrevi fantasia, havia a preocupação de criar um mundo novo... De criar algo que fosse original, mas ao mesmo tempo verossímil.
Quando escrevo romance, essa preocupação não existe. Mas há o peso de você escrever sobre algo real, mas da melhor forma possível, e do jeito mais realista. Num romance o foco acaba sendo o drama, os sentimentos das personagens. Expor isso de uma maneira que chegue a tocar o leitor, acho que é o maior desafio.


Você é um autor bem novo e está cursando jornalismo. Diga-me quando foi que o seu amor pelas palavras começou?

V.G.:É engraçado isso, porque eu sempre fui envolvido, de alguma forma, com a arte de escrever. Quando eu tinha sete aninhos, eu fiz e ilustrei meu primeiro livrinho. Algumas pessoas não acreditam, mas é verdade! Depois, eu comecei a me envolver muito com o universo dos quadrinhos – eu adorava desenhar, criar as histórias, desenvolver as tramas. Mas percebi que meus desenhos eram terríveis (ainda os tenho para provar) e percebi que o meu grande prazer mesmo era a criação das estórias.
Eu curso jornalismo, e digamos que seria a minha segunda paixão... Porque a literatura vem sempre em primeiro.


O que você tem a dizer para as pessoas que estão começando a carreira de escritor agora?
O que acha da literatura brasileira ultimamente?

V.G.:A primeira palavra é ‘persistência’. Se você é do tipo que desiste fácil das coisas, que não consegue ouvir repetidas vezes ‘não’, e fica triste com isso, ok, vai lá e procure outra profissão. Mas se você realmente sente que o seu texto pode se conectar com alguém, e que você precisa disso para se satisfazer, para ser feliz, vá em frente. Vai e não olhe para trás e saiba ouvir críticas, saiba respeitar opiniões diversas, mas nunca desiste de você mesmo.
As grandes editoras sempre preferiam os internacionais, né? Por uma série de motivos... Mas a literatura nacional tem crescido muito sim! E acho quem tem o sonho de ser escritor, tem que correr atrás.


Espero que tenha gostado das perguntas ^.^ e se quiser acrescentar algo, fique a vontade:

V.G.:Eu adorei a entrevista! J Queria agradecer o convite e dizer que, pra quem se interessou pelo meu trabalho, é só me adicionar no facebook, que é Vinícius Grossos (é Grossos mesmo, galera hahahaha sem piadinhas, ok?), que se precisar de alguma dica para escrever, é só me chamar por inbox, ou até mesmo pra saber das novidades do livro novo, que está lindooooo.
Um beijo!


Espero que tenham gostado da entrevista <3 Quem quiser pode acompanhar o Vinícius nas redes sociais :D


Olha só que legal!

7 comentários:

  1. ah não conhecia ele (visualmente falando), mas conheço a obra :)
    entendo da dor dele de ter desenhos terríveis haha, por isso que eu só escrevo atualmente.
    gostei da entrevista.

    Seguindo o Coelho Branco

    ResponderExcluir
  2. Oi Jéssica, sua linda, tudo bem?
    Para sua primeira entrevista, ficou ótima, adorei as perguntas que fez e também as respostas do autor. Eu já conhecia o livro do autor através de algumas resenhas que eu li e que elogiaram a obra. Acho muito importante os autores usarem seus livros para passarem uma mensagem positiva. Se pararmos para pensar, são poucos os livros em que o protagonista é negro. Isso não é estranho? Gostaria de dar os parabéns ao autor por ter contribuído com a mensagem para pararmos com o preconceito.
    Achei muito legal ele ter nos contado que os personagens surgiram na mente dele, sempre acreditei que é assim mesmo, que a história está viva e um dia ela se exibe para o autor. Desejo sucesso para ele.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Adorei o "autor de livros estranhos e fofos". Jéss, adorei a entrevista, ficou ótima. O autor parece ser bastante simpático e já fiquei super interessada em "Sereia Negra" por se tratar de uma fantasia (que eu adoro), por ter sereias (nunca li nada sobre, mas morro de vontade) e por ele tocar em assuntos polêmicos, o preconceito que ainda existe racial ou sexual. Gostei de saber que ele não desistiu quando não publicaram o seu primeiro livro e gostei de saber a forma como surgiu seus personagens e a história. Com certeza é um livro que fiquei com vontade de conhecer. E desejo muito sucesso ao autor.

    Beijinhos,

    Rafa // Vamos Falar de Livros?

    ResponderExcluir
  4. Olá =)

    Não tinha visto nenhuma foto do autor, mas já li muitas resenhas da obra e estou bem curiosa para lê-la. Adorei a entrevista, ficou excelente! Gostei de saber como nasceram os personagens da história. E do fato dele não ter desistido de publicar o livro! O tema sereias é pouco abordado e eu acho um tema tão fascinante!!! Muito sucesso para o autor!

    Beijos, Rob
    www.estantedarob.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olá Jessica!
    Que entrevista incrível. Sempre busco aprender coisas novas com autores já publicados. Outra coisa, pelo jeito que o Vinicius fala parece que seus personagens estão vivos, eu heim kkkk.
    Abraços

    www.estantejovem.com.br

    ResponderExcluir
  6. Olá, adorei a entrevista, não conhecia o autor, mas já tinha lido a resenha do livro, acho que foi aqui mesmo e amei o enredo *--*

    Visite "Meu Mundo, Meu Estilo"

    ResponderExcluir
  7. Que história interessante: escreveu um livro com um tema completamente diferente do primeiro após uma decepção! Bacana que ele é bem novinho e também segue no jornalismo, como eu.
    Como faz para firmar parceria com seu blog? E entrevistas?
    Beijo!

    http://www.diarioquaseescritora.blogspot.com/

    ResponderExcluir